terça-feira, 30 de agosto de 2011

Algumas poesias do Carmina Burana e sua tradução


É visível a presença dos seres da natureza sob a percepção da cultura dos povos germânicos pagãos que viviam na região da Alemanha, antes da chegada do cristianismo, como já postado no Blog do C.C. 25 de Julho, nos Post´s Germanos e sua Mitologia - Crenças e Panteon - Parte I  e Germanos e sua Mitologia - Crenças e Panteon - Parte II.
Mais tarde, esta cultura foi assimilada sob diferentes aspectos na produção da arte, durante os diversos recortes de tempo, ao longo da história da civilização, em cada escala regional.

Hela

Há grande probabilidade, de que as poesias do  Carmina Burana, foram muito apreciadas por pessoas sensíveis e de vanguarda, da época medieval de nossa Era. Por isto foram salvaguardadas e conservadas, o que as tornaram inacessíveis à grande massa, por algum tipo de censura desta mesma época.
Diante desta possibilidade, é invitável não lembrar da grande obra - O Nome da Rosa de autoria de Umberto Eco.

Alguns poesias do Carmina Burana, escritas há muito tempo atrás.
São somente algumas de um total de mais de 300.


O Fortuna
velut luna
statu variabilis,
semper crescis
aut decrescis.
vita detestabilis,
nunc obdurat
et tunc curat;
ludo mentis aciem,
egestatem,
potestatem
dissolvit ut glaciem.

Sors immanis
et inanis,
rota tu volubilis,
status malus,
vana salus
semper dissolubilis,
obumbrata
et velata
michi quoque niteris;
nunc per ludum
dorsum nudum
fero tui sceleris.

Sors salutis
et virtutis
michi nunc contraria,
est affectus
et defectus
semper in angaria.
Hac in hora
sine mora
corde pulsum tangite;
quod per sortem
sternit fortem,
mecum omnes plangite!

Tradução

01. Ó Fortuna

Ó Fortuna
és como a Lua
mutável,
sempre aumentas
e diminuis;
a detestável vida
ore escurece
e ora clareia
por brincadeira a mente;
miséria,
poder,
ela os funde como gelo.

Sorte monstruosa
e vazia,
tu – roda volúvel –
és má,
vã é a felicidade
sempre dissolúvel,
nebulosa
e velada
também a min contagias;
agora por brincadeira
o dorso nu
entrego à tua perversidade.

A sorte na saúde
e virtude
agora me é contrária.
e tira
mantendo sempre escravizado.
nesta hora
sem demora
tange a corda vibrante;
porque a sorte
abate o forte,
chorais todos comigo!


Fortune plango vulnera
stillantibus ocellis
quod sua michi munera
subtrahit rebellis.
Verum est, quod legitur,
fronte capillata,
sed plerumque sequitur
Occasio calvata.

In Fortune solio
sederam elatus,
prosperitatis vario
flore coronatus;
quicquid enim florui
felix et beatus,
nunc a summo corrui
gloria privatus.

Fortune rota volvitur:
descendo minoratus;
alter in altum tollitur;
nimis exaltatus
rex sedet in vertice
caveat ruinam!
nam sub axe legimus
Hecubam reginam.

Tradução

02. Choro as Feridas da Fortuna

Choro as feridas da fortuna
com os olhos rútilos;
pois que o que me deu
ela perversamente me toma.
O que se lê é verdade:
esta bela cabeleira,
quando se quer tomar,
calva se mostra

No trono da Fortuna
sentava-me no alto,
coroado por multicores
flores da prosperidade;
mas por mais prospero que eu tenha sido,
feliz e abençoado,
do pináculo agora despenquei,
privado da glória.

A roda da Fortuna girou:
desço aviltado;
um outro foi guindado ao alto;
desmensuradamente exaltado
o rei senta-se no vertice –
precavenha-se contra a ruína!
porque no eixo se lê
rainha Hécuba.


Veris leta facies
mundo propinatur,
hiemalis acies
victa iam fugatur,
in vestitu vario
Flora principatur,
nemorum dulcisono
que cantu celebratur. Ah!

Flore fusus gremio
Phebus novo more
risum dat, hac vario
iam stipate flore.
Zephyrus nectareo
spirans in odore.
Certatim pro bravio
curramus in amore. Ah!

Cytharizat cantico
dulcis Philomena,
flore rident vario
prata iam serena,
salit cetus avium
silve per amena,
chorus promit virgin
iam gaudia millena. Ah!

Tradução

03. A alegre face da primavera

A alegre face da primavera
volta-se para o mundo,
o rigoroso inverno
já foge vencido.
Com sua colorida vestimenta
Flora preside,
docemente a floresta
em cantos a celebra. Ah!

Estendido no regaço de Flora
Febo mais um vez
sorri, agora coberto
de flores multicores.
Zéfiro respira
seu suave odor,
corramos a concorrer
ao prêmio do amor. Ah!

O doce rouxinol
faz soar sua lira,
já riem
as luminosas clareiras floridas,
saem os pássaros em revoada
dos bosques encantadores,
e o coro das donzelas
anuncia delícias mil. Ah!

04. Omnia sol temperat

Omnia sol temperat
purus et subtilis,
novo mundo reserat
faciem Aprilis,
ad amorem properat
animus herilis
et iocundis imperat
deus puerilis.

Rerum tanta novitas
in solemni vere
et veris auctoritas
jubet nos gaudere;
vias prebet solitas,
et in tuo vere
fides est et probitas
tuum retinere.

Ama me fideliter,
fidem meam noto:
de corde totaliter
et ex mente tota
sum presentialiter
absens in remota,
quisquis amat taliter,
volvitur in rota.

Tradução

04. O sol a tudo esquenta

O sol a tudo esquenta
puro e suave,
novamente revela ao mundo
a face de Abril;
para o amor é impelida
a alma do homem
e jovial impera
o deus-menino.

Toda essa renovação
na gloriosa estação
e por ordem da primavera
leva-nos a rejubilar;
abre-te os caminhos conhecidos,
e em tua renovação
é justo e correto
que desfrutes do que é teu.

Ama-me fielmente!
Vê como sou fiel:
com todo o meu coração
e com toda a minha alma,
estou contigo
mesmo quando distante.
Quem quer que ame assim
gira a roda.

05. Ecce gratum

Ecce gratum
et optatum
Ver reducit gaudia,
purpuratum
floret pratum,
Sol serenat omnia.
Iamiam cedant tristia!
Estas redit,
nunc recedit
Hyemis sevitia. Ah!

Iam liquescit
et decrescit
grando, nix et cetera;
bruma fugit,
et iam sugit
Ver Estatis ubera;
illi mens est misera,
qui nec vivit,
nec lascivit
sub Estatis dextera.

Gloriantur
et letantur
in melle dulcedinis,
qui conantur,
ut utantur
premio Cupidinis:
simus jussu Cypridis
gloriantes
et letantes
pares esse Paridis. Ah!


Tradução

05. Eis a cara primavera

Eis a cara
e desejada
primavera que traz de volta a alegria:
flores púrpuras
cobrem os prados,
o sol a tudo ilumina.
Já se dissipam as tristezas!
Retorna o verão,
agora fogem
os rigores do inverno. Ah!

Já se liqüefazem
e desaparecem
o gelo, neve, etc.
a bruma foge,
e a primavera suga
o seio do verão;
é de lamentar-se
aquele que não vive
nem se entrega
à doce lei do verão. Ah!

Que provem glória
 felicidade
doce como o mel,
aqueles que ousam
aspirar
ao prêmio de Cupido;
sob o comando de Vênus
glorifiquemos
e rejubilemo-nos
a exemplo de Páris. Ah!


Floret silva nobilis
floribus et foliis.
Ubi est antiquus
meus amicus? Ah!
Hinc equitavit!
Eia, quis me amabit? Ah!


Floret silva undique,
nah min gesellen ist mir we.
Gruonet der walt allenthalben
wa ist min geselle alse lange? Ah!
Der ist geriten hinnen,
o wi, wer sol mich minnen? Ah!

Tradução



07. Cobre-se a nobre floresta

Cobre-se a nobre floresta
de flores e de folhas.
Onde está
meu antigo amor? Ah!
Ele correu cavalgou para longe!
Oh, quem irá me amar? Ah!

A floresta floresce em toda parte,
Estou ansiando por meu amor.
As florestas verdejam em toda parte,
Por que meu amado demora tanto? Ah!
Ele cavalgou para longe,
Oh, quem irá me amar? Ah!








2 comentários:

Matilde Melo disse...

gostaria muito da tradução dos demais poemas!

paulo ringo disse...

Lindos esses poemas. Mas, realmente, seria interessante os outros poemas.