sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Um pouco de História - Prússia e Alemanha


Clicar para ampliar
http://www.rollintl.com/roll/prussia1440-1866.jpg
Mapas da Europa em duas épocas distintas:
1440 - 1795 e 1807 - 1866

A Prússia apresenta sua história mais recente, pela origem comum e base introdutória da formação do estado da Alemanha do século XIX. Foi um Estado que surgiu a partir da Prússia Oriental, e sua última capital foi Berlim. Foi criado em 911 e perdurou até 1806, passando por diferentes fases de apogeu e declínio das dinastias.
A origem da Prússia aconteceu no território dos prussianos bálticos (hoje sul da Lituânia, destrito russo de Kaliningrado e nordeste de Polônia, região dos lagos Mazúrios). Neste sítio físico, as tribos dos germanos (Mitologia postados no Blog) estavam instalados a oeste, os polacos ao sul, os sudóvios ao leste, os curlândios ao nordeste e os lituanos ao noroeste.


No século XIII a Ordem Teotônia (Ler no próximo Post, mais detalhes) submeteram os pagãos prussianos e a convite do duque polonês Conrado de Mazóvia são cristianizados e pacificados.
Duque polonês Conrado de Mazóvia


Conversão ao cristianismo
 O Papa Gregório IX forneceu posses de Terras conquistadas do território prussiano, aos cavalheiros da Ordem. Efetivando, então, a colonização alemã através da apropriação das terras e das tribos localizadas ao da Germânia. Germânia, na época, era a denominação romana para a região que se estendia da margem ocidental do Reno até sua fronteira oriental (Atual Rússia e Ucrânia). A região era habitada por várias tribos, quase todas, germânicas.

 Papa Gregório IX

No final do século XVII a língua prussiana não existia mais, em seu lugar, se falava o alemão.

No início do século XVIII, a Prússia já é um grande território, com partes adquiridas através de conquistas e outras, anexadas. Colocam seus soberanos Hohenzollern, que era a dinastia que governou o território da Prússia até o fim da Primeira Guerra Mundial.
Castelo  Hohenzollern
Em 1740, um ano após a sua ascensão, o rei Frederico II prussiano já tinha dominado o território da Silésia, conquista solidificada somente com o fim da guerra dos sete anos (1756-1763). Em 1772, Frederico obteve a Prússia ocidental na partilha da Polônia, conseguindo então unir a Prússia oriental com Brandemburgo para formar então um estado territorialmente coeso.

O rei Frederico II desejava que a Prússia fosse vista adotando todos os melhores princípios do iluminismo.

Em 1750, Voltaire, que mantinha correspondência com Frederico II há muito tempo, visitou a Prússia e fixou residência em Berlim. No início, sua estadia na Prússia foi frutífera, mas não por muito tempo. Após dois anos e meio, por motivos financeiros e divergências de idéias com o rei, Voltaire retornou à França. Em uma correspondência da época a Frederico, Voltaire escreve:



“Acredite-me que os únicos reis bons foram aqueles que, como vós, começaram por educar-se a si mesmos, por conhecer a humanidade, por amar a verdade, por detestar a perseguição e a superstição.”
Voltaire e Frederico II
Com o recrudescimento do nacionalismo cultural alemão entre o final do século XVIII e o princípio do XIX, a maioria dos prussianos de língua alemã passou a considerar-se parte da nação germânica, professando as chamadas virtudes prussianas: organização perfeita, sacrifício, o Estado de direito, obediência à autoridade e militarismo. Existia, então, na Prússia uma pré-disposição latente para a assimilação das novas mudanças na produção social, espacial, econômica e tecnológica que estavam por vir no século que estava iniciando.
O fluxo imigratório da Europa para outros continentes, iniciados na metade do século XVIII, prosseguiria como também, iniciaria a imigração para o sul do Brasil, para o Vale do Itajaí - Fazendo surgir uma nova colônia de alemães, conhecida  posteriormente por Blumenau.

Chegada do primeiro grupo de imigrantes alemães à  Colônia Blumenau,
 em 2 de Setembro de 1850 -
Fonte: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva.
Na próxima semana, postaremos, de maneira sintética, como aconteceu a unificação e o surgimento do Estado Alemão.


Postado por Angelina Wittmann






Um comentário:

Anônimo disse...

Muito bom